Clayton Rodrigo
Clayton
LOJISTA
Jd. Ibirapuera
 
Clayton Rodrigo
Marleyse
MODELO
Brasilândia
 
Clayton Rodrigo
José e Cida
Comerciantes
Heliópolis
 
Clayton Rodrigo
Comunidade
do forró
Jd. São Francisco
 
Clayton Rodrigo
Wilson
Dono de academia
Brasilândia
 
Clayton Rodrigo
Lúcio
Cabeleireiro
Jd. Ibirapuera
 

 
GALERIA

 
GALERIA

 
GALERIA

 
GALERIA

 
GALERIA

 
GALERIA

Negócios da quebrada

Quem são e como trabalham os empreendedores com raízes nas comunidades da periferia de São Paulo

Até pouco tempo atrás, o empreendedor da favela era aquele que abria um boteco, um pequeno salão de cabeleireiro improvisado – era preciso sobreviver. Empreender era uma necessidade. Hoje, as oportunidades nascem de outra semente: a da motivação.

Dos 40 milhões de habitantes de São Paulo, 3,8 milhões moram em comunidades – ou no jargão comum, em favelas. No Rio de Janeiro, chamam de “morro”. Aqui, em São Paulo, de “quebrada”. Deste total, 50% têm um trabalho com carteira assinada.

É a outra metade (sem carteira assinada) que anda provocando uma mudança estrutural na organização econômica das comunidades. São eles que estão fertilizando um espaço que, no passado, chegou a ser visto como a pura infertilidade econômica.

Em linhas gerais, o dinheiro não girava dentro das comunidades – chegava até lá pelas mãos dos assalariados, que ainda não tinham conseguido se mudar. Hoje o cenário é outro.

Há dois anos, 15% dos paulistanos moradores de comunidades tinham a intenção de abrir seu próprio negócio. Entre eles, 51% queriam fazê-lo na “quebrada”. A motivação desse segmento é difusa: não ter chefe e ter uma fonte de renda empata com 19%, seguindo-se a liberdade de horário (13%) e fazer o que se gosta (12%).

Não sabemos, com precisão, quantas pequenas empresas funcionam nas favelas paulistas ou brasileiras. Não sabemos tampouco a ligação entre o empreendedorismo e a fé religiosa, em grupos que prometem a prosperidade individual.

Ninguém sabe – os dados estatísticos sobre esse universo de empreendedores ainda são um mistério. Mesmo assim, esse brotar de empresas é acompanhado por um grupo numeroso de pesquisadores que nos fornece um retrato complexo dessa população urbana que integra a base da pirâmide de renda.

Um deles é Krishna Faria, coordenador nacional de Negócios Sociais do Sebrae, que afirma que o empreendedorismo se espalhou para responder ao poder de compra dos mais pobres, que registrou evidente ascensão. No entanto, já que os empregos não existiam em quantidade para todos, coube aos empreendedores darem um novo impulso ao motor da economia: o consumo.

“Como o emprego formal não poderia atender a todas essas pessoas, o que lhes resta é empreender por necessidade”, diz.

Renato Meirelles, fundador e presidente da Data Popular, tem acompanhado de perto esse movimento. “A favela era um território do desemprego e de empreendedorismo por causa do desemprego”, diz.

UM NEGÓCIO PARA CHAMAR DE NOSSO

Montar uma empresa dentro da favela, tendo como público-alvo os próprios moradores, soa como uma iniciativa óbvia e rentável. Mas esse não é o único alicerce que sustenta essas novas construções. Há também o conforto e o orgulho de protagonizar uma história de sucesso.

Há “a oportunidade de negócio e o conforto de poder trabalhar dentro de sua própria comunidade, o que gera confiança, reconhecimento e mexe com a autoestima”, diz Jerônimo Ramos, superintendente do Santander Microcrédito. O banco abriu uma agência em Paraisópolis, em São Paulo, e duas no Rio, no complexo do Alemão.

É mais ou menos a mesma explicação de Júlia Dias, coordenadora do projeto Visão de Sucesso e responsável pela regional Ceará da Endeavor Brasil. “Uma característica marcante dos empreendedores de comunidades é que são extremamente criativos e muito ambiciosos. Apesar de não terem escolaridade muito boa, não conseguiram ficar presos em um trabalho típico.”

Exemplo disso é Clayton Rodrigo dos Santos, dono da Da.V8, que criou uma marca de bonés e camisetas no Jardim Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo. O empresário conta que já chegaram a bater de madrugada na casa dele pedindo os produtos. “O que mais impulsiona essa habilidade de negócios é conhecer todo mundo na comunidade, de formar uma espécie de ‘rede social’ dentro dela”, afirma Júlia.

E por falar em ‘rede social’, como não notar o uso dessa ferramenta na ampliação dos negócios? Santos se divulga e vende pelo Facebook. A Comunidade do Forró, que movimenta a economia do Jardim São Francisco com eventos semanais, vê na rede social seu principal meio de divulgação. Eles se apropriam dos meios possíveis e fazem deles mais uma origem de renda.

Rudá Ricci, sociólogo, cientista político, e diretor da ONG Instituto Cultiva, em Belo Horizonte, argumenta que o empreendedorismo nas comunidades “já tinha uma base social fácil de trabalhar, para ganhar um consumidor fiel. O que faltava era o dinheiro”.

“Nos últimos dez anos, com a ascensão da classe C, aumento do salário mínimo, oferta de crédito e a facilidade para ter cartão de crédito qualificaram essa forma de comércio”, diz.

E prossegue: “Some-se a tudo isso com o que chamamos de solidariedade automática, que está muito ligada ao afeto, e se cria um mercado dentro das comunidades. Há dez anos começou aumentar a renda e há cinco começou a qualificação deste mercado.”

Esse fenômeno não é uma exclusividade nacional. Em A Riqueza na Base da Pirâmide, C.K.Prahalad mostrou como o microcrédito tem o poder de potencializar novos negócios na Índia e em várias partes do mundo com cenários sociais semelhantes aos do Brasil.

O PERFIL DO EMPRESÁRIO E DA EMPRESA DA QUEBRADA

O reforço da autoestima entre empresários e consumidores das comunidades é hoje o que movimenta mais negócios nas favelas, na percepção de Taciana Abreu, diretora de planejamento da W/Mccann Rio de Janeiro e participante da Incubadora Yunnus de Negócios Sociais no Rio de Janeiro.

“Vemos produtos e serviços do mundo da beleza, da moda e da estética em destaque nas iniciativas vindas de empreendedores das comunidades”, diz Taciana.

Por aqui, em São Paulo, o padrão se repete, a exemplo da agência de modelos Ayo Eventos, criada por Marleyse Moraes, de 23 anos, da Brasilândia, na Zona Norte de São Paulo. Carlúcio Ferreira Araújo, de 28 anos, já tem dois salões de beleza no Jardim Ibirapuera, em São Paulo – e continua a crescer.

Não é por acaso que a maior parte desses empreendedores são jovens – ou estão cercados deles. Taciana explica que o conhecimento empírico acaba mais forte que o teórico quando observado o perfil dos empresários da favela. A despeito do aumento da escolaridade, eles não esperam toda a gestação e planejamento do negócio para dar o pontapé inicial.

“Esses indivíduos nasceram executando, então o planejamento é menor e a prototipagem é constante”, diz. Com uma ideia na cabeça e os recursos mínimos nas mãos eles partem para o empreendedorismo.

Por um lado, há uma desvantagem: falta planejamento e, com isso, os erros são mais frequentes. No entanto, os desvios de rota são mais baratos quando a estrutura não começa grande. “É um risco adicional que eles assumem”, afirma Taciana.

Taciana não acredita que esse movimento calcado na autoafirmação possa isolar a favela da cidade – ou o morro do asfalto. A exemplo do que vem acontecendo no Rio de Janeiro, as trocas vêm se intensificando. A executiva lembra, por exemplo, do boom de restaurantes japoneses na favela da Rocinha – na outra mão, empreendimentos como o Saladorama, também do Rio de Janeiro, está levando comida saudável e acessível também para fora do morro.

FINANCIAR O NEGÓCIO DA QUEBRADA

Para essa multidão de pequenos empresários, o financiamento é um evidente problema, que dificilmente encontra solução.

Mirando esse problema, Marcus Vinicius Faustini, autor dos livros Guia Afetivo da Periferia, criou, no Rio, a Agência de Redes para Juventude, que ajuda a transformar ideias de jovens em projetos que melhorem as comunidades em que vivem. Os beneficiados recebem R$ 10 mil para seus projetos.

Há 17 anos Celso Athayde, no Rio, fundou a Cufa (Central Única de Favelas) na Cidade de Deus, com a vocação de coletar a financiar projetos nessas comunidades. Ele criou também o Favela Holding, em que associou 11 empresas num mecanismo de financiamento que deu em empresas como Favela Vai Voando (venda de passagens aéreas), Favela Objetiva (produção editorial) ou Cadeia Produtiva (produção de móveis). Athayde também é coautor dos livros Um País chamado favela, com Renato Meirelles.

Seu caso é exemplar. A mãe queria que ele fosse borracheiro. E ele hoje tem um filho que estuda economia em Londres. Acontece também com o empreendedor: ele quer ver os filhos na faculdade. José Pereira e Aparecida Pereira, donos dos Mercados Pereira, no Heliópolis, são analfabetos – mas o filho estudou administração de empresas e ajuda os pais no negócio.

A escolaridade na favela, por sinal, também é um fermento para esse contingente de empreendedores. Segundo números do Data Popular, em 2003, eram 14% dos empresários das comunidades não tinham escolaridade. Outros 70% tinham alcançado o ensino fundamental.

Em 2013, apenas 8% não tinham escolaridade e a massa de pessoas com o ensino médio já representava 27% do bolo – e esse resultado vai melhorando conforme diminui a idade dos pesquisados. A mudança de comportamento está clara e já foi anunciada em diversas pesquisas: com algum dinheiro a mais no bolso, a classe C quer estudar. Estudando, eles vão mais longe, tanto como empregados como com empreendedores.

FORMALIZAÇÃO EM PROCESSO

Luciana Aguiar, sócia-diretora da Plano CDE, estuda o comportamento econômico da população mais pobre. Ela diz que sempre existiram pessoas que trabalharam por conta própria – 30% das classes D e E e 20% da classe C. Mas era a informalidade dos bicos. O empreendedorismo é outra coisa bem diferente. Nos últimos pouco mais de quatro anos, em 60 mil atendimentos, foram formalizados mais de 6 mil novos pequenos empresários.

A Constituição de 1988 deu um tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas, ao mesmo tempo em que abria as portas à inclusão social. As duas pontas se juntaram para esse terreno fértil.

Dentro e fora das comunidades os empreendedores encontram, ao lado do aumento do poder de compra, um ambiente legal que surgiu com o Simples Nacional (2006) e com o MEI (microempreendedor individual). “Diminuíram sensivelmente os ônus tributários para as micro e pequenas empresas”, diz o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos.

Tudo isso não significa que o incipiente, mas progressivo espírito empreendedor nas favelas esteja totalmente a salvo das ciclotimias da economia.

“A possibilidade desta novidade fracassar em 2015 é grande”, afirma Rudá Ricci, ao se referir aos rigores do ajuste fiscal conduzido pelo ministro Joaquim Levy e ao aumento da taxa de juros. “O novo mercado criado pelo empreendedorismo popular ainda está fincando seus alicerces.” Leia as entrevistas completas com Carla Panisset e Marilia de Castro.

Especial Os Negócios da Quebrada - São Paulo - SP

Especial Os Negócios da Quebrada - São Paulo - SP

Especial Os Negócios da Quebrada - São Paulo - SP

Bastidores

"Jornalistas na quebrada em busca de boas histórias"

Conheça os bastidores da produção do Especial Negócios da Quebrada

Especial Os Negócios da Quebrada - São Paulo - SP

Itinerário confirmado, perguntas listadas, equipamentos no porta-malas, equipe e segurança embarcados – era a hora de por o pé na estrada. Mas quando essa hora chega, temos que confessar, sempre vem um frio na barriga.

Até então, todas nós tínhamos falado com os nossos entrevistados apenas por telefone. Encontrar boas histórias e contá-las ao público é a principal – e mais deliciosa – atividade do jornalismo. Na primeira parte, tínhamos conseguido um bom resultado.

Faltava garantir que o nosso público teria acesso à melhor parte dessas grandes histórias. Daí toda a ansiedade e expectativa que mal nos deixaram dormir às vésperas do início das gravações.

Era preciso fazê-los vencer o medo das câmeras e, principalmente, fazê-los se sentir à vontade para contar a tantos estranhos sobre as suas caminhadas como empreendedores.

Nós mesmas ficamos um pouco apreensivas com aquele tanto de tecnologia no bagageiro da van. Estamos falando de câmeras, luzes, tripés, fios, microfones – além do time da Weathermen Produções, que somou mais profissionais a essa empreitada.

O sono matinal não deixou que o bate-papo animado tomasse conta da van naquele primeiro momento – quem conhece jornalistas sabe que acordar assim que amanhece o dia não é dos nossos hábitos mais corriqueiros.

Depois de uma hora de percurso entre o centro de São Paulo até a Brasilândia, chegamos à frente da Rattus Fitness, nosso primeiro local de gravação. Wilson, conhecido como Rattu pelos seus vizinhos, não estava no local combinado. A preocupação foi geral: será que ele desistiu da entrevista?

A adrenalina mal tinha baixado quando a recepcionista nos explicou: o empresário estava acompanhando uma aula para idosos na rua de cima.

É claro que toda essa disposição rendeu ótimas imagens. Encerrada a aula – e os festejos das aniversariantes do mês – era hora de colocar o Rattu na frente das câmeras.

Vista de fora, a academia parecia até bem pequena, mas, passando pela catraca, uma tremenda surpresa. No último andar, uma espécie de terraço está reservado para aulas de dança e artes marciais. De lá, dava até para apreciar a paisagem encantadora e desordenada do Jardim Carumbé,

Haja perna para conhecer todo o empreendimento de Rattu, que hoje, com três andares, acaba emendada com o seu endereço residencial. Sua preocupação social nos tocou – o negócio dá dinheiro, mas também ajuda quem precisa e beneficia os moradores da região. E olha que ele queria, apenas, construir um lugar para o seu filho trabalhar.

Encontramos um empresário extremamente preparado. Seja porque ensaiou a fala durante todo o dia anterior ou porque é simplesmente desenvolto, a objetividade e o raciocínio de um verdadeiro homem de negócios deixou todas nós de queixo caído. Segundo Rattu, o suor que escorria pelo seu rosto era culpa das luzes e não do nervosismo – pela clareza com que expunha suas idéias, acreditamos.

Um percurso de cerca de 15 minutos nos levaria até Marleyse, nossa segunda e encantadora personagem. Não conseguimos achar exatamente o endereço – nas comunidades, a numeração das casas não segue uma ordem lógica. Nem sempre é fácil encontrar um endereço. Marleyse, então, se propôs a sair no portão da casa para nos esperar.

Nos aguardava na porta uma modelo linda, orgulhosa de seus cachos e seus traços negros, extremamente jovem e carismática. Parecia que estava bastante acostumada a receber pessoas na sua simples e minúscula casa. A equipe de filmagem se esforçou para que, naquele espaço tão pequeno, fosse possível pegar os depoimentos da moça.

No seu “escritório” de agenciamento de modelos, localizado em um cantinho da sala, ela falava dos trabalhos de modelo já realizados e dos seus planos de uma forma, no mínimo, inspiradora. A equipe chegou a se emocionar.

Depois do almoço, era a vez de buscar a história do sr. Jerônimo no Jardim São Francisco. Este, sim, estava nervoso. De camisa vermelha, toda suada, o sr. Jerônimo ficou muito acanhado com todo o equipamento montado para o seu depoimento. Para amenizar a tensão, reunimos outros empreendedores da comunidade para que contassem também as suas histórias. Pelo jeito, deu certo.

Em plena quinta-feira, no mesmo dia em que estávamos lá, a partir das 11 da noite, o bar de Jerônimo iria reunir os donos da pizzaria, da padaria e outros empreendedores locais para uma confraternização. Fomos convidados, mas infelizmente não pudemos aceitar. Quem sabe em uma próxima oportunidade.

O MANEJO DO IMPREVISTO

Na manhã seguinte, dia 28 de janeiro, foi a vez de buscar os depoimentos dos personagens na Comunidade Erundina, no Jardim Ibirapuera, zona Sul de São Paulo. Aí estavam novamente todos da Weathermen Produções – felizes com o trabalho do dia anterior e ainda mais envolvidos com o projeto.

Clayton Rodrigo, o Ron, dono da marca Da. V8, foi o primeiro do dia. O olhar de espanto para toda aquela tropa descendo da van não deixou que ele escondesse a tensão. A loja toda colorida foi superficialmente redecorada – todos pusemos a mão na massa para vestir os manequins com as peças mais vibrantes que haviam ao redor.

Especial Os Negócios da Quebrada - São Paulo - SP

Ron ficou surpreso com o efeito das luzes da filmagem no visual da loja, que ganhou mais vida. Sobrou para a equipe da Weathermen dar dicas para uma iluminação mais charmosa para a loja – spots de led, facilmente encontrados na Santa Ifigênia, no Centro. E nem ia ficar caro. “Assim que terminar aqui, vou dar um pulo lá para ver isso”, disse impressionado.

Na sequência, uma padaria ali, bem pertinho, seria nossa próxima parada. Não fosse o sumiço do personagem que, sem aviso, nos deixou na mão. A adrenalina bateu de novo. Viagem perdida?

Desatamos a andar pela região, conversamos com um dono de uma mercearia, depois uma dona de loja de cosméticos. Nenhum sucesso. A sugestão do pessoal da Weathermen veio a calhar: ligamos para o Ron, pedimos que ele nos indicasse alguém.

Ron não podia ter sido mais certeiro na sua sugestão – nos levou até o Lúcio, dono dos dois salões Lúcio Hair Stilus, localizados ali mesmo no Jardim Ibirapuera. Esse era nosso dia de sorte!

Os olhares entre nós transbordaram alívio. Lúcio topou contar a sua história cortando o cabelo de um cliente. Maravilha! Ficaria um vídeo dinâmico e contextualizado. No entanto, a única janela em que ele poderia nos atender seria no horário do almoço, quando ele não teria clientes marcados. No caso, elegemos o nosso modelo. Por unanimidade, Rafael Sério, um dos três sócios da Weathermen Produções – e dono da maior cabeleira da equipe –, foi o escolhido para as tesouras de Lúcio.

O segundo dia de gravações acabou no Heliópolis. Seu Pereira e Dona Cida são donos de dois mercados na comunidade da Zona Sul de São Paulo. Quando chegamos, ele estava parado em frente à televisão. Com os braços para o alto, nos questionamos se havia algo de errado acontecendo por ali. Ele estava apenas rezando, acompanhando a oração transmitida pela tela.

Acabado o seu momento com Deus é que ele percebeu que a trupe de jornalistas e produtores havia desembarcado em frente ao seu mercado. Nos pediu alguns minutos e sumiu pelos fundos do estabelecimento.

Tomou banho e colocou uma camisa mais ajeitada. “Eu estava todo sujo”, disse brincando. Na verdade, estava bastante suado com o calor do dia típico de janeiro em São Paulo. A quentura das luzes e o nervosismo com as câmeras não deixaram ele conter a suadeira.

Perguntamo-nos incontáveis vezes de onde aquele casal sem estudo ou qualquer instrução tirou forças para erguer um negócio sólido. Ficamos espantadas com a capacidade de adaptação dessa gente. Com oito meses de estudo, dona Cida faz pesquisa de preços e pedidos pela internet. Veja só, ainda hoje, há quem rejeite a tecnologia no dia a dia. Acham-se velhos demais para aprender algo novo.

Questionados sobre quais dicas dariam a novos empreendedores, mostraram uma avaliação clara de quem está no front da economia. Já não se vende mais como antes. “Não recomendo ninguém a entrar para este negócio. Ter comércio já foi bom, agora não é mais”, lamentou Cida.

Provavelmente, ter um supermercado como aquele, em Heliópolis, deve mesmo ter sido muito bom mesmo. Ela, com pouquíssima instrução, e o marido, que é analfabeto, conseguiram dar um mercado para cada um dos dois filhos e ainda ajudar um deles a cursar a faculdade de Administração de Empresas.

Uma frase de Pereira ficou nas nossas cabeças e talvez resuma bem a melhor dica que eles podiam dar a qualquer empreendedor. “Quem tem fé, tem o que quer. Não pense no que é dos outros. Vai buscar o teu objetivo que todo mundo tem direito de ser feliz.”

E todos eles são.

Equipe

    Superintendente editorial
  •  Nelson Blecher

  • Editor contribuinte
  •  João Batista Natali

  • Editoras
  •  Bárbara Ladeia e Fátima Fernandes

  • Repórteres
  •  Karina Lignelli e Thais Ferreira

  • Webdesigner
  •  William Chausse

  • Consultoria de arte
  •  Odilon Queiroz

  • Vídeos
  • Weathermen Produções


  • Diário do Comércio - Todos os direitos reservados