O rato de academia
Há 10 anos, Wilson Leandro de Lima fundou a academia Rattus Fitness na frente de sua casa. Hoje, ele colhe os frutos: mais 600 alunos matriculados e um projeto social para ajudar idosos e crianças carentes

O nome de batismo é Wilson Leandro de Lima, mas no Jardim Carumbé, na Vila Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, todos o conhecem como Rattu. Ele mora na comunidade desde os oito anos e é uma figura conhecida na região – um dos bairros mais populosos da capital paulista, com 290 mil habitantes.

Hoje, aos 54 anos, Lima desempenha papéis importantes para a comunidade: é um dos conselheiros participativos municipais, integra os projetos sociais e ainda sobra tempo para administrar seu próprio negócio.

Há 10 anos, ele montou no imóvel na frente de sua casa a Rattus Fitness, uma academia de ginástica. Depois de trabalhar durante anos como procurador de jogador de futebol e taxista, decidiu abrir sua própria empresa para ficar mais tempo com a família.

Desde a inauguração, em 2005, já passaram pela academia mais de 18 mil pessoas. Hoje, a média é de 600 matriculados. Além dos aparelhos tradicionais, como esteiras e equipamentos de musculação, a Rattus Fitness também oferece aulas de hidroginástica, danças e lutas.

“Temos as mesmas coisas das academias dos bairros nobres”, diz Lima. Para desfrutar de todas essas atividades, os alunos pagam a mensalidade de R$ 50 – o valor mais baixo na média das academias de São Paulo.

Apenas os exercícios na piscina não estão incluídos no valor. “Faltam áreas de lazer na região, então a academia é uma alternativa”, afirma Lima.

Para a atrair tantos alunos, Lima aposta numa forma diferente de marketing. Ele não investe nenhum centavo em folhetos e prefere gastar esse dinheiro estampando camisas, bermudas, bonés e chinelos com o logotipo da academia.

Esses itens são vendidos na recepção a preço de custo. “Um panfleto vai para o lixo, mas uma peça de roupa pode durar anos. Assim divulgamos o nome da academia. Eu já recebi fotos de pessoas usando nossas camisetas até em outros estados”, afirma.

Nos últimos anos, o número de academias no Jardim Carumbé está aumentando. “As pessoas estão mais preocupadas com a saúde e a aparência. Temos muita concorrência, mas para sobreviver é preciso oferecer um serviço de qualidade, com professores formados e um bom equipamento.”

O mercado brasileiro de fitness é, atualmente, o segundo maior do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com uma pesquisa realizada pela International Health, Racquet & Sportsclub Association,o Brasil possui 30,5 mil academias e 7,8 milhões de alunos.

Além de ser um negócio rentável, a empresa de Lima também tem um caráter social. Ele oferece atividades físicas gratuitas para as crianças e idosos da região. As aulas acontecem dentro da própria academia ou num ginásio cedido pela prefeitura. Os professores da Rattus Fitness são voluntários no projeto, que atende cerca de 160 pessoas.

Por Thais Ferreira